O Espaço Guimarães está a criar formas mais “verdes” de fazer publicidade. Se já no ano passado se tinha mostrado inovador, ao criar uma tela publicitária que renovava o ar da cidade, este ano juntou preocupações ambientais às sociais, abrindo espaço a um projeto que colocou a economia circular a funcionar. Conheça aqui todos os pormenores que tornam este centro comercial mais sustentável e como lonas publicitárias ganharam uma nova vida através da Economia Circular.

Fazer e vender produtos de economia circular

De antigas lonas publicitárias nasceram acessórios de moda para homem e mulher. O projeto Corações sem Barreiras, do Espaço Guimarães, este verão, aliou as preocupações ambientais às sociais e deu espaço à ACIP — Ave Cooperativa Intervenção Psicossocial, uma associação de crianças e jovens portadores de deficiência, para fazer e vender trabalhos manuais.

Falamos de carteiras de homem e malas de mulher. Versáteis e práticas, podem servir para uma ida às compras ou para guardar pertences essenciais. Foram criadas a partir de lonas publicitárias do centro comercial que, de outra forma, seriam descartadas.

Assim, o desperdício foi resgatado, oferecido à associação e utilizado como matéria-prima para trabalhos manuais. O centro comercial cedeu ainda um espaço para que estes jovens pudessem vender os seus produtos finais durante o mês de julho. O dinheiro angariado teve como finalidade a compra de equipamentos que melhorem a sua qualidade de vida.

No total, foram doados e reaproveitados 1100 metros quadrados de lonas publicitárias. Este tipo de material é feito com um composto de PVC e apresenta um grande impacto ambiental, uma vez que a matéria-prima pode demorar centenas de anos a decompor-se. Reaproveitá-la, prolongando-lhe o tempo útil de vida, coloca a economia circular em andamento e reduz o impacto deste produto no ambiente.

Espaço Guimarães com os olhos postos na sustentabilidade

“O Espaço Guimarães tem feito vários esforços no sentido de se tornar um agente de mudança e de ser uma mais valia para a comunidade em que se insere”, refere a manager do centro comercial, Joana Rocha.          

Não só implementou uma tela publicitária que purifica o ar, fazendo o trabalho equivalente de 103 árvores, como reforçou a reciclagem de embalagens e criou uma horta urbana.

Esta horta foi desenvolvida num espaço eficientemente ecológico e está a produzir alimentos saudáveis que são entregues a instituições de cariz social. Os 125 quilos que já foram colhidos, desde que foi criada, em 2021, são também utilizados em workshops do Guimarães Kitchen Hub, um espaço que promove hábitos de consumo saudáveis, educação ambiental e alimentar para todas as idades.

Quanto à reciclagem, este centro comercial orgulha-se de apresentar os dados dos últimos três anos, afirmando que, no total, foram corretamente encaminhadas mais de 37 toneladas de plástico, quase 4400 toneladas de metais, mais de 16 toneladas de vidro, sete toneladas de madeira e cerca de 460 toneladas de cartão.

E porque todos os gestos contam, o Espaço Guimarães está também a fazer esforços para poupar mais água e eletricidade. Desde 2020, já conseguiu reduzir 34,6% e 20,8% no consumo destes recursos, respetivamente.