Pela altura do verão, todos os anos, Portugal passa por períodos de seca, ora elevada, ora extrema. Fruto das alterações climáticas, mas também da forma como utilizamos e desperdiçamos água. Será possível, com ações individuais, combater a seca?

Em Portugal, utiliza-se o índice Palmer Drought Severity Index (PDSI), que se baseia na soma de alguns dados, como a quantidade de precipitação, a temperatura do ar e capacidade de água disponível no solo para avaliar os períodos de seca e classificá-los.

Os dados do Instituto Nacional de Estatística indicam que, até agora, o ano de seca mais severa foi o de 2005, a que se seguiram os de 2012 e 2017. Comparando os dados, em termos homólogos, enquanto em janeiro de 2005 75% do país se encontrava em seca severa ou extrema, este ano o valor situa-se nos 45%.

No entanto, enquanto há 17 anos o nível de armazenamento de água nas barragens era de 64%, hoje este nível situa-se nos 60%, 12 pontos percentuais abaixo do valor médio estabelecido (72%).

Dados da Agência Portuguesa do Ambiente salientam ainda que o armazenamento de água por bacia hidrográfica em março estava abaixo da média quando comparado com o mesmo mês nas últimas três décadas.

Consumo de água contribui para aumentar a seca

A manter-se o ritmo de consumo que levamos no dia a dia, a água potável que nos chega às torneiras tenderá, cada vez mais, a escassear. As Nações Unidas calcularam qual a quantidade de água necessária por dia para uma pessoa satisfazer as suas necessidades básicas: são 110 litros.

Só na região de Lisboa, a Empresa Portuguesa de Águas Livres (EPAL) dá-nos conta de que cada cidadão utiliza em média 133 litros, ou seja, mais 23 do que o estabelecido.

É, pois, imprescindível poupar, cada vez mais, a água. Sobretudo no verão, altura do ano em que, sem nos apercebemos, mais desperdiçamos este recurso.

8 dicas de como poupar água em casa:

Casa de banho

  • Manter a torneira fechada enquanto ensaboa as mãos, escova os dentes, ou, no duche, enquanto passa o cabelo ou o corpo por champô ou gel de banho são as regras básicas para poupar água.
  • Guarde a água fria do duche enquanto esta aquece num balde e mais tarde aproveite-a para regar as plantas!
  • Ainda nesta divisão pode reduzir a quantidade de água que utiliza ao colocar um redutor de caudal na torneira do lavatório. Outra hipótese é deixar dentro do reservatório do autoclismo uma garrafa cheia (de água, pedras, ou terra, por exemplo) para diminuir a quantidade de água a descarregar cada vez que carrega no botão.

Cozinha

  • A regra de abrir a torneira apenas quando é necessário mantém-se. Mas nesta divisão há que redobrar a atenção. Na hora de lavar legumes e fruta não deixe a torneira a correr sobre eles. Coloque-os dentro de um recipiente e lave-os.
  • Máquinas de loiça e de roupa só devem ser utilizadas com a carga máxima.  

Jardim, terraço ou varanda

  • Nesta área da casa, o cuidado prende-se sobretudo com a rega das plantas. Hidrate-as apenas no início da manhã ou no fim do dia. Só assim elas irão absorver toda a água que lhes colocar.
  • No caso de ter piscina, evite despejá-la e encher todos os anos. São centenas de litros de água que se desperdiçam. Nos períodos em que não está a utilizar, cubra-a com uma capa protetora e antes de a usar sirva-se de utensílios que ajudem a remover alguma sujidade que ainda possa ter ficado na água.
  • Tentador, mas importante de evitar: lavar o carro ou quintal com mangueira. Desperdiçam-se centenas de litros de água ao realizar estas tarefas desta forma. Segundo a Águas de Portugal, por cada meia hora de lavagem podem estar a ser utilizados entre 216 a 560 litros de água.

Cuidados extra!

Seja na sala, num quarto ou noutra divisão, se tiver animais de estimação aquáticos ou anfíbios, saiba que também é possível aproveitar a água dos seus aquários.

Uma manutenção cuidada e a utilização de filtros mecânicos e de medidores de ph evitam ter de despejar os aquários com regularidade. Se ainda assim precisar de despejar a água utilize-a para regar as plantas. Com fitoplâncton e outros micro-organismos presentes, a água suja do aquário pode até ser um bom fertilizante para o seu jardim.

Quer tenha os seus ecopontos ou ecobags, na cozinha, no jardim ou noutro recanto da casa, fazer a reciclagem de todas as embalagens é imprescindível para poupar água. Se por cada tonelada de papel reciclado produzido é possível poupar água que daria para o consumo diário de mil pessoas, imagine a diferença que pode fazer ao reciclar todos os resíduos.